Todo santo mês a menstruação chega e, com ela, vem também um sintoma que nós mulheres já conhecemos bem: a cólica. Quando essa dor surge, naturalmente já a associamos com o ciclo menstrual, mas você sabia que existem vários tipos de cólica e outras causas que podem estar por trás dela?

Para ajudar você a lidar melhor com a cólica, separamos algumas dicas que vão ajudar a entender melhor as diferentes causas desse sintoma e como aliviá-la. Preparada? Então vamos lá! ❤

Quais os principais tipos de cólica?

A cólica é um sintoma doloroso que atinge a região pélvica; ou seja, a parte de baixo da barriga das mulheres. Essa dor, que pode se espalhar para outras partes do corpo – como costas e coxas –, geralmente é classificada em três tipos: aguda, cíclica e crônica. O que diferencia cada uma são as características da dor, como duração e intensidade, a associação com outros sintomas e, principalmente, a causa por trás dela¹.

Entenda melhor cada um dos tipos de cólica e saiba como identificá-los!

Cólica Aguda

A dor abdominal do tipo aguda é aquela que geralmente tem um início rápido, curta duração e não necessariamente acompanha o ciclo menstrual; ou seja, nem sempre se repete todos os meses. Em geral, esse tipo de cólica é causado por alguma disfunção, que pode ser tanto obstétrica como ginecológica e até mesmo gastrointestinal – e a dor normalmente passa com o uso de medicamentos¹.

Alguns dos problemas que podem causar cólica do tipo agudo¹ são:

  • abortamento;
  • gravidez ectópica;
  • descolamento de placenta;
  • doença inflamatória pélvica aguda;
  • endometriose;
  • apendicite.

Veja também: É normal sentir cólica muito forte?

Cólica Cíclica

A cólica cíclica, como o nome já indica, é aquela dor abdominal que nos afeta todos os meses e está intimamente ligada com o ciclo menstrual. Quando a dor ocorre próximo do fluxo, chamamos de dismenorreia ou, simplesmente, cólica menstrual. Essa dor pode ser classificada em dois tipos: primária e secundária¹.

A dismenorreia primária é a cólica causada pela ação de substâncias chamadas prostaglandinas, que provocam contrações uterinas no primeiro dia do fluxo menstrual. Já a dismenorreia secundária geralmente tem origem em alguma doença pélvica e a dor pode ser mais intensa e persistir durante todo o fluxo¹.

Outra causa comum para a cólica do tipo cíclico é a dor de ovulação¹, que também tem relação com o ciclo menstrual – mas em outro período, que é quando a mulher ainda está ovulando.

Descubra 5 maneiras fáceis de como aliviar a cólica menstrual!

Cólica Crônica

Chamamos de dor pélvica crônica todas as dores que persistem por mais de três meses, no caso das cólicas não relacionadas ao ciclo menstrual, ou então mais de seis meses quando elas são cíclicas. Uma característica desse tipo de cólica é que ela sempre está relacionada a algum problema fisiológico, que muitas vezes pode não ser identificado¹. Alguns exemplos são:

  • endometriose;
  • varizes no útero (síndrome da congestão pélvica);
  • doenças inflamatórias da pelve.

Em geral, a dor não cede com o uso de medicamentos, precisando de acompanhamento de um profissional para diagnosticar e tratar o problema que está causando os sintomas¹.

Viu só como é fácil identificar os diferentes tipos de cólica que podem nos incomodar? Com essas dicas, você vai estar preparada para lidar com os sintomas da menstruação e saberá perceber quando algo está errado. ;)

NÃO USE ESTE MEDICAMENTO EM CASO DE ÚLCERA, GASTRITE, DOENÇA DOS RINS OU SE VOCÊ JÁ TEVE REAÇÃO ALÉRGICA A ANTI-INFLAMATÓRIOS. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Buscofem é indicado para o alívio das cólicas e outras dores menstruais. LIQUI-GELS® é marca registrada da Catalent Brasil LTDA*. Contraindicações: alergia ou intolerância aos componentes da fórmula, asma, pólipo nasal, inchaço ou urticária provocada por medicamentos, úlcera gastrintestinal, doenças graves do coração, fígado ou rins, desidratação, últimos 3 meses de gravidez e em gestantes sem orientação médica e crianças menores de 12 anos. MS - 1.0367.0159 - SAC 0800 701 66 33.

Referências:

1 - Bernardes J.Dor pélvica e dismenorreia [Internet]. Manual de Ginecologia da FSPOG. 2009. [Disponível em: http://www.fspog.com/fotos/editor2/cap_10.pdf]