O nosso website utiliza cookies para lhe identificar e aprimorar a sua experiência de navegação.
Alguns cookies são necessários, outros são utilitários, analíticos ou de marketing. Ao continuar navegando, você concorda com os termos da nossa Política de Cookies.

Nas aulas de biologia, aprendemos que a cólica menstrual também pode ser chamada de dismenorreia. Esse termo de origem grega significa menstruação difícil ou dolorosa, o que vai dificultar o ciclo menstrual e causar desconforto na mulher pode ser a produção de prostaglandinas, o que é normal nesse período, ou até mesmo alguma doença associada. Por isso, classificamos esta cólica em dismenorreia primária e dismenorreia secundária respectivamente¹.

A dismenorreia primária faz parte do ciclo menstrual e é totalmente comum às mulheres. Sua causa é a produção de substâncias chamadas de prostaglandinas, que fazem o útero contrair-se para eliminar o conteúdo do endométrio¹ (a camada mais interna do útero). Já a dismenorreia secundária está relacionada a alterações do sistema reprodutivo, por exemplo: endometriose, mioma e doença inflamatória pélvica. Por isso, dizemos que a dismenorreia secundária é extrínseca ou adquirida, ou seja, não faz parte de um ciclo menstrual saudável, já que é causada por alguma anormalidade.

Na dismenorreia secundária, assim como na primária, há o aumento da produção de prostaglandinas, pois o útero precisa contrair-se para liberar o endométrio na menstruação. Porém, o que ocorre na dismenorreia secundária é que temos as prostaglandinas atuando concomitantemente com o fator etiológico – nesse caso uma doença orgânica pélvica – potencializando os fenômenos inflamatórios e dolorosos.

Na dismenorreia primária, a dor é aguda e espaçada, ao contrário da dismenorreia secundária, cuja dor é pesada e contínua. Outra diferença é o período de duração das cólicas: Na dismenorreia primária, a dor tem duração típica de dois a três dias, e está associada ao início do fluxo menstrual². Nos casos de dismenorreia secundária, a dor pode iniciar até duas semanas antes da menstruação e persistir durante todo o ciclo.

Ocorre que, na maioria das vezes, as mulheres nem imaginam que têm alguma doença pélvica, e acham que os sintomas estão associados somente à menstruação quando, na verdade, há um fator agravante. Por isso, é muito importante estar atenta à intensidade das dores e procurar um ginecologista se alguma anormalidade for constatada. Com o diagnóstico, é possível eliminar a doença de base e, consequentemente, tratar as cólicas excessivamente dolorosas.

Por isso, classificamos esta cólica em dismenorreia primária e dismenorreia secundária respectivamente¹.

Referência:

1-Diegoli MSC, Diegoli CA, Fonseca AM. Dismenorreia. RBM. 2004.61(1):15-26.

2-Pereira TRD. Avaliação da eficácia de duas formulações de anticoncepcionais combinados de uso contínuo no tratamento da dismenorreia moderada ou grave.[ Dissertação ]. Rio de Janeiro. Universidade do Estado do Rio de Janeiro 2009.

ONDE COMPRAR ONLINE

Buscofem. ibuprofeno.
Indicações: tratamento dos sintomas de febre e dores leves e moderadas associadas a gripes e resfriados, dores de garganta, de cabeça, enxaqueca, de dente, nas costas, musculares, articulares e na região abaixo do umbigo, como cólicas menstruais. MS 1.7817.0892.

SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Fev/2021.
LIQUI-GELS® é marca registrada da Catalent Brasil LTDA.

Referência Consultada: 1. Bula do produto Buscofem. 2. *Mendes GD, Mendes FD, Domingues CC, et al. Comparative bioavailability
of three ibuprofen formulations in healthy human volunteers. Int J Clin Pharmacol. 2008; 46 (6), 309 – 318.